Mostrando postagens com marcador Transmissão da Psicanálise. Mostrar todas as postagens

25 de jun. de 2015

Doenças psicofisiológicas e seus aspectos emocionais

Nenhum comentário :

A predisposição genética ou o que podemos chamar de dna psíquico, somado aos fatores ambientais, podem influenciar o surgimento ou piora do quadros psicofisiológicos. Assim, reações orgânicas, também podem estar diretamente relacionadas aos estados emocionais do indivíduo, causando sintomatologias crônicas, inclusive.

O corpo reage a cada investimento positivo ou negativo que proporcionamos a ele e as emoções são como um cobertor que envolve o organismo interno, nada chegando ao mesmo, sem ser tomado de sensações psíquicas. 

A dor e o incômodo físico são sintomas de algo que já tem um caminho percorrido e por isso, muitas vezes, configura-se em doenças muitas graves e desagradáveis. A dor avisa um limite. Há um receio por trás de cada sintoma corporal. Algo que sinaliza possível sentimento de inadequação e medo de lidar com a própria realidade.

Leia mais

22 de jun. de 2015

Quanto tempo é "normal", para um casal, ficar sem relação sexual?

Nenhum comentário :

Não considero adequado falar em normalidade, pois a ausência ou baixa frequência de relações sexuais em um casamento só deve ser considerada como dificuldade se um dos parceiros não estiver satisfeito, ou seja, é o próprio casal que estabelece o ritmo.

Muitas vezes, os veículos de comunicação propagam padrões sexuais que não se aplicam a todos, e o casal enxerga problema onde não há, porque estabelece uma comparação com outros.

Se eu posso dar uma certeza, é que cada casal faz a sua costura de decisões afetivas, incluindo a frequência das relações sexuais. Não deve importar o quê, ou como, os outros vivem. É No um a um que se sabe um pouco sobre algo.

Psicóloga Mayara Almeida
mayarapsicologia@hotmail.com

Leia mais

2 de jun. de 2015

Carpe Diem: A arte de se presentear com um tempo.

Nenhum comentário :
(Texto publicado, originalmente, na Revista Fashion News - maio/2015)

Geralmente não pensamos no valor do tempo a não ser quando ele está em falta - ainda assim, quando há tempo disponível, nos sentimos estranhos, com tédio, sem saber o que fazer com as horas livres que nos convidam a escolher. Nessas situações, muitas vezes, escolhemos fazer qualquer coisa, sem refletir se, de fato, será agradável para nós. Algo que é tão valioso - pois é através dele que fazemos uso da nossa energia diária - não é de se deixar sem proveito. De tempos em tempos, recomendo esse presente: um tempo só para você. Para manter seu equilíbrio e energia. Para recarregar as ideias, para estar consigo mesma, para viver o momento, para inspirar-se. Estes momentos de retiro pessoal são extremamente importantes para reconhecer as verdadeiras prioridades em sua vida.
Mas como fazer? Como usar o tempo a seu favor? Não há uma regra, deve ser algo que faça sentido para você. Algo sob medida para seu momento e suas necessidades. Comece pelo seu “por que”. Por que você quer realizar essa atividade? Qual é o significado dela para você?
Posso citar alguns exemplos:
- Criar um momento de cuidados pessoais prazerosos: um escalda-pés, banho à luz de velas, automassagem ou até marcar uma massagem num local adequado.
- Algumas horas de silêncio ou de leitura agradável.
 - Passear na praia e colocar os pés na areia.
- Ir para uma cafeteria e aproveitar o momento lendo um belo livro ou na companhia de um caderninho para anotar ideias.
- Escutar uma música de olhos fechados.
- Fazer um mural de inspirações, com temas que lhe motivam.
- Praticar momentos de meditação, da maneira que mais se adequar ao seu jeito de ser.
- Cantar ou dançar, elevando sua energia e bem estar.
- Contar com apoio de profissionais de saúde (psicoterapia) para lhe orientar e ampliar seu crescimento.

Na verdade - e que bom - há muitas opções para você se dar um tempo e, a maioria delas, só precisa de você, sua presença e o tempo que você vai se permitir aproveitar. A partir daí, podem até surgir importantes insights, pois você está mais presente, distante do foco excessivo no externo e conectada com o mundo interno. Se desejarmos soluções diferentes, precisamos agir diferente. Deixar fluir, deixar ser fácil. Permitir-se.

Psicóloga Mayara Almeida
mayarapsicologia@hotmail.com

Leia mais

25 de mai. de 2015

Em tempos de depressão

Nenhum comentário :
Gostaria de iniciar dizendo o que a Depressão NÃO é: frescura; falta do que fazer; coisa da sua cabeça; falta de Deus. Há um excesso de desinformação sobre o que a depressão é de verdade, então as pessoas frequentemente pensam que dizer coisas como “seja mais feliz” e “faça um esforço maior” são conselhos válidos. Não são. É preciso compreender o que se passa e, muitas vezes, permanecer ao lado, em silêncio. Infelizmente, há muitas pessoas que ainda não tomaram consciência de que a depressão é algo muito sério e precisa de atenção e cuidados.


Imagine que, por algum motivo, você quebra alguma parte do próprio corpo e precisa fazer cirurgia para colocar no lugar certo, ou fica trinta dias com um membro engessado e ainda passa seis meses fazendo fisioterapia para voltar a locomover-se adequadamente. A depressão é como reaprender a andar, só que a quebra é da ordem do subjetivo. 

Acompanho muitos pacientes com ou beirando a depressão. Chegam desconectados com os próprios desejos, distantes dos próprios sonhos e sem enxergar um caminho possível. Uma cegueira psíquica que não é bem compreendida pelos familiares e pares de relacionamento, na maior parte das vezes. Não é "coitadismo", é doença subjetiva, perda de interesse pela vida.

Diferente de quebrar algum osso, que se vê, a depressão vai desintegrando o colorido de dentro, devagar, bem devagar. Não é de súbito que se dá. Por isso é preciso uma conexão familiar para ajudar na reconstrução dos interesses e na costura dos afetos positivos, além de acompanhamento profisional.

Abaixo, algumas sugetões, para lidar com este problema, 
que, na maioria dos casos, pode sim, ser revertido.

1. Faça sessões de terapia
As sessões de terapia são fundamentais para que a depressão seja superada. Passar a entender o porquê do sofrimento, como ele começou, em quais momentos aparece é importante para modificá-lo. A solução passa pela fala, pela palavra. Apenas substâncias químicas não resolvem: "ou dire ou pire" - dizia Lacan.

2. Tome as medicações prescritas pelo médico
Se o psiquiatra receita um medicamento, ele deve ser tomado da forma correta, para que a sua eficácia aconteça. E vale lembrar que usar álcool ou outras drogas, interfere na medicação e trará consequências.

3. Procure dormir o suficiente
A falta de sono ou vontade de dormir o dia todo são sintomas que tem um grande impacto na depressão. Busque a qualidade do sono para o total reestabelecimento, procurando na medida do possível manter a rotina da hora de dormir e da hora de acordar.

4. Conheça os gatilhos da depressão
Para certos pacientes ter contato com uma pessoa específica recomeça tudo de novo. Para outras pessoas, o gatilho pode vir a ser uma música, um local, programas violentos de TV.
A dica é conhecê-los e evitá-los.

5. Entenda o poder da sua respiração
Ansiedade e stress geram respiração ofegante e, retomar o controle da sua respiração pode acalmar sua mente. Respire fundo algumas vezes quando sentir que está nervoso e isso enviará ao seu cérebro a mensagem que você está calmo – já que, quem está calmo respira devagar.

Cuide-se!


Psicóloga Mayara Almeida
mayarapsicologia@hotmail.com

Leia mais

23 de abr. de 2015

Carta a um futuro analisando

Nenhum comentário :


Recebi a sua carta. Um pedido de ajuda, será? Penso que também pode ser algo da ordem da dúvida: confiar ou não confiar? Sim, este é um aspecto importante, mas que vai sendo costurado aos poucos a partir do que podemos chamar de disposição subjetiva. O desejo de entender algo é um impulso para iniciar uma análise. Você deseja algo? Se sim, este é um com caminho. Se não, deixemos para quando houver a disposição.

Você enviou um pingente junto com sua carta e não disse nada sobre o mesmo, mas me pergunto: o que refletir sobre um par de asas douradas? Asas, possuem pássaros e dizem, os anjos. Não sou nenhum dos dois.

Em seu escrito também perguntou sobre as minhas características de caráter, para assim, saber se sou uma profissional capacitada para exercer esta atuação.

Vamos lá:

A minha história com a psicologia e psicanálise, iniciou antes mesmo que eu chegasse à universidade e conhecesse teoria e prática da atuação. Iniciou através da ordem do desejo, da subjetividade, que insistia para que eu buscasse algo mais profundo existente no ser humano. Assim foi e é, a minha trajetória, que só me impulsiona a aprender um pouco mais a cada dia e dividir o conhecimento adquirido de maneiras saudáveis e funcionais.

Ouço as pessoas com paciência. No ônibus, na fila do banco, no supermercado. E gosto de ser assim. As palavras pedem espaço e eu as recebo suave e delicadamente. Vou citar um exemplo: certa vez, visitei uma instituição onde realizei um trabalho de orientação aos cuidadores. Em meio à conversa, apontaram um garoto de 4 anos que corria desorganizadamente no local. Pegava um carrinho de bebê e repetidas vezes empurrava contra a parede, subia em cima de uma cadeira e gritava quando assim desejasse, etc. Sozinho. As outras crianças estavam fazendo atividades dentro das respectivas salas, enquanto ele, era o rei. Aproximei-me e pedi para guardar o carrinho e a cadeira. Ele se jogou no chão, gritou e me mordeu. Mas não foi um mordida qualquer. Até hoje tenho a marca desta memória. Para completar, enquanto se debatia, continuou a sua recusa diante da minha presença cuspindo em mim repetidas vezes, e eu, segurando seus braços, só olhava para ele. Alguns minutos se passaram e ele parou. Pediu a chupeta e deitou no chão, como se quisesse descansar e por um tempo foi o que fez. Trago este exemplo para dizer que todos - pequenos e grandes - vamos nos comunicar de diferentes jeitos e é preciso traduzir com tranquilidade. Eu escolho traduzir pessoas, escutar vidas tragicômicas e ainda me surpreender cada vez que um paciente me conta um segredo.


Gosto de algo mais, além da própria atuação de psicóloga. E tudo que faço além, me confere uma subjetividade interessante para que eu exerça o ofício com necessário apreço ao conhecimento: vou à praia, à cafés e livrarias, também escrevo e sim, me alimento. Portanto, faço parte do grupo humano e real.

Não acredito na cura propriamente dita, mas na organização das potencialidades e da normalidade que é individual a cada sujeito. Ouço, faço silêncio, falo, faço barulho e suporto as mesmas reações vindas do outro, exceto sujeitos que não querem querer. Não precisa estar completamente pronto para iniciar o processo de terapia, mas ter algum vir-a-ser-de-desejo para que possamos continuar. Enfim, seja como for, não precisará de armas aqui.

Ah, e por fim, antes de ser borboleta, todos precisamos ser lagartas.
Que assim seja!

Estimo uma boa reflexão!
Psicóloga Mayara Almeida

Leia mais

26 de mar. de 2015

Um grito de fumaça

Nenhum comentário :

Não fuma-se por amor à vida, mas devido a prazeres e razões inconscientes que nos movem sem que possamos reconhecer ou dominar facilmente. Um suicídio vivenciado aos poucos, silenciosamente, prazerosamente: a fumaça preenche o vazio da vida. Acende-se o cigarro buscando iluminar a consciência, buscando importância para algo. Um grito de fumaça. O cigarro é companhia e relação do sujeito com sua fantasia. Ah, um cigarro para me acalmar. Mas a calma é falsa. Melhor viver e não fumar.

• Saiba mais sobre o Tabagismo.
Dicas para ajudar na mudança de hábito:

- Evite situações em que a vontade de fumar é maior e procure evitá-las: álcool, festas, etc;
- Retire de casa os produtos relacionados, como cinzeiros e isqueiros;
- Combine com familiares e amigos que não fumem perto de você.
- Beba bastante água e procure comer alimentos mais leves;
- Evite locais fechados em que possa haver pessoas fumando;
- Pratique atividade física;
- Procure acompanhamento psicológico se perceber que não está evoluindo positivamente.

Leia mais

20 de fev. de 2015

Benefícios da psicologia

Nenhum comentário :

Que tal fazer algo muito bom por você mesmo?
Faça psicoterapia.

·        Maior controle sobre a sua vida.
·        Avaliar nível de stress e eliminá-lo.
·        Estabelecer metas e objetivos claros e alcançáveis.
·        Adquirir mais confiança, flexibilidade e criatividade.
·        Reestruturação das emoções e pensamentos negativos.
·        Entender os mecanismos da motivação e aumentá-la.
·        Aprimorar confiança e autoestima.
·        Adquirir habilidades de comunicação e relacionamento eficazes.
·        Aprender lidar com emoções limitantes como medo e ansiedade.
·        Ser mais equilibrado e otimista.
·        Estabelecer harmonia interna.
·        Identificar e transformar crenças limitantes.
·        Identificar e fortalecer crenças fortalecedoras.
·        Superação de limites e obstáculos.
·        Desenvolvimento das competências necessárias para alcançar metas e ultrapassar limites.
·        Eliminação de bloqueios nas várias áreas de atuação (inclusive aprendizagem)
·        Sentir-se bem consigo mesmo.
·        Ampliar e manter a parceria e o diálogo entre o casal.
·        Gerenciar e entender as mudanças pessoais com inteligência emocional.
·        Conciliar a satisfação pessoal e profissional.
·        Conciliação de carreira e maternidade/paternidade.
·        Melhorar o relacionamento entre familiares e colegas de trabalho.
·        Permitir descobrir formas novas e criativas de tirar o máximo prazer e satisfação da sua vida familiar.
·     Encontrar estratégias práticas para lidar com o comportamento desafiante das crianças.
·    Encontrar apoio para tomar decisões relativas à educação, saúde e cuidados com os seus filhos.
Leia mais

30 de jan. de 2015

Violência contra a mulher

Nenhum comentário :

O comportamento agressivo ou violento, seja ele, da forma mais mascarada ou concreta, afeta a vida do indivíduo em todos os aspectos, podendo, certamente gerar: um sentido obscuro de culpa, acreditando que a situação foi gerada pela própria vítima agredida; dificuldades afetivas, ou privações emocionais: medo de não ser reconhecido, não ser amado, de não ter ou ser o suficiente e medo de perder. A violência contra a mulher poderá desenvolver um estado crônico de terror, que, paradoxalmente, faz cair em um estado de submissão e possível deprimência grave.

É importante esclarecer que: assumir a condição de vítima pode ser paralisante para sair desta situação. Com esta nomeação: “vítima”, a mulher depende de outro; porém, quando a mulher é referida como “estando em situação de violência”, ela está em outra condição, ou seja, ela acessa um lugar de passagem, pois é um sujeito na situação, e não um objeto. O fato de “estar” em uma situação, oferece a possibilidade da mudança, mobilidade subjetiva que compõe esta condição. Posteriormente, é muito importante procurar ajuda, deixar que alguém saiba e possa ajudar na resolução da situação que causa sofrimento e desconforto individual e/ou social, para que a mulher possa, então, tomar consciência de seus recursos psíquicos, e desvincular-se do homem; pois só assim é possível deixá-lo, e escolher seu próprio caminho.

Assim, o tratamento psicológico para reaprender a lidar com a realidade é extremamente necessário.

Leia mais

12 de dez. de 2014

Comprar, comprar e... O que eu busco com isto?

Nenhum comentário :

Comprar. Hoje em dia, há um prazer enorme nisto. As facilidades que geralmente encontramos: cartões de crédito, promoções, encantam quem estimula-se com compras. Mas é possível não render-se a tudo isto?



Comecemos pensando sobre alguns fatos: já comprou algo que não usou? Ou comprou por impulsividade e nem lembrava mais que tinha? Ou comprou algo que não lhe cabe corporalmente? Ou ainda, comprou e arrependeu-se da atitude, sentindo-se angustiado pelo fato, esperando a fatura chegar com medo do valor registrado? A questão não é querer estar/sentir-se bem ou confortável, mas não conseguir reconhecer os limites que existem entre comprar o que precisa e evitar o desnecessário... E o objeto que poderia preencher, acaba tornando-se um novo vazio, satisfação passageira.

Reflita: o que você deseja conseguir quando compra? Talvez esta resposta ajude no verdadeiro encontro com a realidade e a possibilidade de preenchimento.

Leia mais

7 de dez. de 2014

Timidez

Nenhum comentário :

A timidez é definida como um desconforto nas atividades sociais que atrapalha a pessoa na conquista de seus objetivos, sejam eles pessoais ou profissionais. A timidez pode ser crônica, caracterizada por um desconforto diante de toda e qualquer situação social, ou situacional, quando a pessoa apresenta a dificuldade somente diante de uma situação específica.

Uma das estratégias que o indivíduo pode utilizar para aumentar suas chances de sucesso, é tentar ensaiar menos (mentalmente) antes de entrar numa situação. O tímido pensa demais, e isso compromete a espontaneidade.

É importante buscar a ajuda de um profissional, porque há uma porção de coisas que não conseguimos fazer sozinhos, e dessa forma, será bem vindo o ponto de vista de alguém neutro e bem preparado.

Leia mais

5 de dez. de 2014

Entrevista - Orientações para Adolescentes

Nenhum comentário :




1. Aluna de Psicologia - Unipê:
Os jovens "ficam" para evitar relacionamentos mais sérios?

Psicóloga Mayara AlmeidaAlguns sim, pois nestes casos, não possuem família de referência que tenha os ensinado a valorizar a responsabilidade de uma relação.
2. A.P - Unipê:
Os adolescentes possuem medo de relacionamentos?

Psicóloga Mayara Almeida: Devido às mudanças naturais desta fase, os jovens podem ficar em dúvida sobre as experiências que compõem este momento de transição entre a infância e a vida adulta.

3. A.P - Unipê:
O que os adolescentes falam sobre seus relacionamentos?

Psicóloga Mayara Almeida: Faz-se necessário desenvolver um vínculo de confiança e logo que sente-se à vontade, iniciam uma comunicação mais aberta, buscam sanar dúvidas e receber orientações que não os critique ou diminua.

4. A.P - Unipê:
Como no mundo de hoje os adolescentes estão iniciando a vida sexual mais cedo, qual orientação daria para os pais dos mesmos?

Psicóloga Mayara Almeida: É importante que os pais iniciem a construção de um relacionamento seguro com os filhos, para que estes possam vir em busca quando não souberem que caminho seguir. E como fazer isso? Inicialmente, apresentando-se disponível e atentos às suas angústias e dúvidas, como uma forma de dizer: conte conosco.

Leia mais

28 de nov. de 2014

Transtorno Obsessivo Compulsivo - TOC

Nenhum comentário :
Resultado de imagem para toc

O Transtorno obsessivo-compulsivo consiste na combinação de obsessões e compulsões. Obsessões são pensamentos recorrentes e insistentes que se caracterizam por serem desagradáveis, repulsivos e contrários à índole do paciente. Como o paciente perde o controle sobre os pensamentos, muitas vezes passa a praticar atos que, por serem repetitivos, tornam-se rituais.
As compulsões podem ser secundárias às obsessões: são gestos, rituais ou ações sempre iguais, repetitivas e incontroláveis. Um paciente que tente evitar as compulsões acaba submetido a uma tensão insuportável, por isso sempre cede às compulsões.
No transtorno, os dois tipos de sintomas quase sempre estão juntos, mas pode haver a predominância de um sobre o outro.

* Os sintomas obsessivos mais comuns:
- Medo de contaminar-se por germes, sujeiras etc.
- Imaginar que tenha ferido ou ofendido outras pessoas
- Imaginar-se perdendo o controle, realizando violentas agressões ou até assassinatos.
- Pensamentos sexuais urgentes e intrusivos
- Dúvidas morais e religiosas
- Pensamentos proibidos

* Os sintomas compulsivos mais comuns:
- Lavar-se para se descontaminar
- Repetir determinados gestos
- Verificar se as coisas estão como deveriam, porta trancada, gás desligado, etc.
- Tocar objetos
- Contar objetos
- Ordenar ou arrumar os objetos de uma determinada maneira
- Rezar

Além dos sintomas, são necessários outros critérios para fazer o diagnóstico: o tempo gasto com os sintomas deve ser de no mínimo uma hora por dia ou quando o tempo for inferior a isso é necessária a existência de marcante aborrecimento ou algum prejuízo pessoal. É preciso que em algum momento o paciente reconheça que o que está acontecendo seja excessivo, exagerado, injustificável ou anormal. Isso faz com que o paciente ache que está enlouquecendo e tente esconder o que se passa, fica assustado e quando chega ao médico apresenta essa preocupação.

Este transtorno apresenta dois picos de incidência: o primeiro na infância e o segundo em torno dos trinta anos de idade. Muitas crianças apresentam esse problema nessa fase e depois nunca mais têm nada. Outras continuam tendo durante a vida adulta. Os adultos também apresentam oscilações do problema; podem ficar livres dos sintomas e dos remédios, mas também podem precisar de uso contínuo.

Psicóloga Mayara Almeida
mayarapsicologia@hotmail.com

Leia mais

31 de out. de 2014

Sete "pecados" mentais (capitais)

Nenhum comentário :


* Preguiça
A preguiça é uma importante causa do alcoolismo e das toxicomanias. O preguiçoso quer sensações? Então basta enbreaguar-se em alguma droga. É bem mais fácil do que esforçar-se para entender a realidade. Posição de vítima, zanga-se facilmente, achando que o mundo existe apenas para servi-lo. Terreno fértil para as doenças mentais: não pensando, a pessoa perde o sentido da realidade, torna-se imatura, rancorosa e acusadora. Vive na fantasia. Frigidez ou desinteresse na vida sexual. No amor, não quer relacionamentos que lhe deem trabalho. Preguiça de viver a própria vida. 

* Ira
Uma agressividade exagerada arruina os relacionamentos. Qualquer coisinha gera, de início, rancor. Difícil afeição que prospere. O mundo torna-se detestável e extremamente perigoso. A personalidade agressiva enxerga tudo por uma lente de aumento. Essa é uma das importantes causas da paranóia e da mania de perseguição. Possuído pelo pessimismo e pelo medo, muitas vezes vai morar na fantasia. A tentação de resolver tudo, não pela habilidade e compreensão, mas pela força bruta, no peito e na marra.

* Gula
Por gula a psicanálise entende uma tentação à comilança, em todos os sentidos do termo. Inclui a comida, o aspecto intelectual, a afetividade; a vida sexual e financeira. O problema da gula é que ela proporciona um permanente estado de frustração. Isso se manifesta também com relação ao apetite de conhecimento. Não lê livros. Devora-os. Num primeiro momento, provoca o impulso para a bisbilhotagem, para a espionagem. Ainda, uma sexualidade gulosa vai gerar a ninfomania nas mulheres e a sexomania nos homens. 

* Avareza
A pessoa está sempre fissurada no mesquinho, no detalhe, no irrelevante, no banal. Ligam-se desesperadamente em dinheiro. Usa as emoções a conta-gotas, como se elas fossem acabar. Várias depressões ou manias de perse­guição são causadas pela avareza.

* Inveja
A inveja é considerada pela psicanálise uma das principais causas de todas as doenças mentais. No entanto, a inveja tem limites, além dos quais ela arruina a vida de qualquer um. Isso porque a inveja desperta, a todo momento, os piores sentimentos. Existem apenas competidores, em uma luta de vida e morte, da qual só poderá sair um único vencedor. Cada conquista na vida de seus pares e parceiros é uma tortura.

* Orgulho
Uma certa dose de narcisismo, vaidade e orgulho faz parte da natureza humana e é saudável. Contudo, orgulho em excesso gera, uma vaidade doentia, uma das principais causas da insegurança e da timidez. Além de tudo o mais, o orgulho em demasia gera um estado de arrogância, de não poder reconhecer os erros. Tudo se torna motivo para que a pessoa se sinta humilhada.

* Luxúria
Várias são as causas que podem levar a uma supervalorização do sexo, ou seja, à luxúria. No fundo, são pessoas inseguras e não amam o sexo tanto quanto dizem. Estão apenas viciadas na ilusão de entrega que ele provoca.

Leia mais

28 de set. de 2014

Sexo e Sexualidade via internet

Nenhum comentário :

Ao anunciar o assunto sexo, há quem já se anime, esperando a coisa, o ato, a cena, a cópula, a imagem. Outros associam a algo pornográfico, sujo, feio, embora um dos meios mais lucrativos da pornografia é a pornofonia, representada pelo “Disk Sexo”, que não está associado a imagens, apenas à fala, palavras e fantasias de quem está do outro lado.
As pesquisas dizem que os usuários do sexo via internet são, em sua maioria, ainda, do sexo masculino, enquanto as mulheres consomem, em média, 70% de produtos sexuais do mercado erótico: pequenos objetos, ou grandes. Como dizia Lacan: “a mulher vai no real da coisa”.
Talvez em razão da própria origem da palavra: o sexo, o órgão, que sempre foi algo que devia ser mantido guardado; ou seria escondido?, tornou-se bagagem excessiva para alguns suportarem.
Todo esse fervor sexual que se apresenta, considero uma resposta da sociedade que está escassa de afeto, toque e tato. E aquilo que é proibido, vivencia a tendência do desejo obrigatório. Assim, nestes tempos modernos, deseja-se aproveitar qualquer espaço para sensualizar ou mesmo atuar sexualmente. A internet está esborrando sexo: seja o ato (em vídeos), seja o próprio desejo 9em palavras, imagens e propagandas convidativas)
Para a Psicanálise, a sexualidade está diretamente relacionada à libido (pulsão), fantasia, desejo, erotismo que reage ao toque, à escuta, à visão, ao olfato e que, não está só relacionado ao órgão sexual, mas com o corpo, como um todo, tendo o prazer como a sua meta e só secundariamente vindo a servir às finalidades de reprodução.
Muitos usuários de site e chats eróticos, de encontros ou mesmo pornográficos apresentam papéis diferentes em situações diferentes porque buscam ser aceitos pelos outros, ou mesmo para os seduzir. E no espaço virtual há uma possibilidade menor de sermos ‘desmascarados’. É possível que quando um homem, ou mesmo uma mulher se faz passar por alguém do sexo oposto, esta pessoa esteja ‘vivendo’ sua homossexualidade, mas também pode ser que esteja experimentando suas fantasias sexuais ou mesmo exercendo sua criatividade. Só será possível escolher uma das opções se tomarmos uma análise pessoal e individualizada.
Eu acredito que sujeitos saudáveis, farão bom uso do sexo via internet e da liberação dos costumes, Já os menos estruturados mentalmente, farão outro uso, que pode levar à descoberta de patologias, pois a linha que separa o saudável do patológico é muito tênue, e nós buscamos respostas no nível de separá-los. Poderíamos dizer que se uma pessoa usa a internet para sexo virtual com o objetivo de encontrar sexo real, isto estaria dentro do saudável, mas se usa para fugir de relacionamentos reais, isto já poderia estar no quadro patológico. O voyeurismo (prazer de olhar intimidade de outros) e exibicionismo (prazer de mostrar suas intimidades para os outros) são duas formas de comportamentos sexuais patológicos que se encontram e se complementam na internet.
O sexo também pode estar dentro do grupo das adicções (vícios). Existem, inclusive, grupos de autoajuda para os compulsivos sexuais. Também é alvo dos movimentos machistas, como se apenas o homem pudesse desfrutar do prazer sexual.
Reich, um psicanalista austríaco, discípulo de Freud, falou sobre a miséria sexual, nos anos 60, 70... E acredito que ainda há: o sexo via internet, é como um bolsa família, para alguns. Não é que acabou o desejo, mas a libido foi transferida para o computador, que certamente, precisamos pensar, dispõe de custos-benefícios que são oferecidos nesta situação do sexo virtual: o sujeito pára a qualquer hora, continua a qualquer hora, escolhe o parceiro ou parceiros sem pré-julgamentos, entre outros. De qualquer forma, considero o sexo virtual vinculado a uma espécie de gozo solitário, e este, seria o custo, ou um dos custos.

Pode ser excitante, saudável ou um problema, depende de como se atua e do que se espera quando se atua. Ou seja, o desejo depende do desejo. O sexo depende do desejo e é necessário (porque o prazer é intrínseco ao sujeito mano), possível (porque faz parte da nossa atualidade), contingente (considerando a grande possibilidade de que o algo – o orgasmo – não aconteça) e impossível (porque como dizia Lacan: “não há relação sexual”; e virtual então...).

Texto apresentado em junho/2014, em reunião do grupo Papo Cabeça - 
Campina Grande/PB, na Universidade Federal

Leia mais

14 de ago. de 2014

Revista Nordeste - Tabagismo

Nenhum comentário :
Participação da Psicóloga Mayara Almeida em matéria sobre o Tabagismo na Revista Nordeste - n 92 (Agosto/2014). 
Acesse: http://www.revistanordeste.com.br/edicoes


1) O tabagismo envolve o aspecto psicológico e emocional do vício. Como isso ocorre na prática?

Quando estamos emocionalmente instáveis, buscamos enfrentar a situação ou envolver-se com algo que pareça estancar a nossa dor: o cigarro representa, então, um alívio, mesmo que momentâneo, um escapamento da angústia e a sensação de que funciona, pois os efeitos químicos são fortes e aos poucos transformam o cigarro num objeto de prazer.
2) É importante, então, a procura pelo tratamento não só medicamentoso, mas também psicológico? Porque?
É extremamente importante, que no tratamento à dependência de qualquer vício, o acompanhamento psicológico esteja envolvido, porque tem a função de trazer o indivíduo para uma nova condição, vivenciando outro papel, pois acontece mediante a conscientização das atitudes e do preenchimento saudável das escolhas do dia-a-dia, descobrindo prazeres saudáveis e reconhecendo que o contrário disto, pode levar à um caminho sem volta.
3) De acordo com uma pesquisa do LENAD (Levantamento Nacional de Álcool e Drogas), 90% dos fumantes dizem que gostariam de parar de fumar. No entanto, só 7% deles realmente tem planos para parar. Porque você acha que o número de pessoas que realmente se dispõem a tomar uma ação é ínfimo diante do número expressivo de pessoas que afirmaram desejar parar?

Porque, infelizmente, o consumo do cigarro se encaixou como uma luva no mundo que vivemos, onde há, milhares de sujeitos que acreditam na satisfação suficientemente perfeita, através do consumo de objetos.


4) Qual o fator determinante para que o indivíduo seja capaz de largar o vício?

Já dizia Mário Quintana: "fumar é um jeito discreto de ir queimando as ilusões perdidas" e acredito que o vício é uma espécie de fuga da falta, fazendo-se necessário apoio familiar e emocional, buscando envolvimento do indivíduo em situações que realmente o mobilizem, considerando que, a consciência e atuação da liberdade individual são primordiais para o processo de retorno à saúde mental.

Leia mais

10 de ago. de 2014

Procura por antidepressivos

13 comentários :
Entrevista completa, cedida ao jornal A União - João Pessoa, em 10/08/2014


- Segundo os dados do IMS Health, instituto que faz auditoria para a Anvisa, a venda de estabilizadores de humor e antidepressivos aumentou cerca de 8,4% nos últimos quatro anos. No entanto, se olharmos mais para trás, entre 2005 e 2009, o crescimento foi de 44,8%, um volume bastante expressivo. A que você atribui isso? É um indício de que há mais tratamento de doenças mentais ou há excessos nas recomendações e prescrições dos médicos?
Psicóloga Mayara Almeida: Houve sim, um aumento de problemas mentais, devido ao movimento frenético das mudanças sociais, quando nem todos possuem estratégias para lidar com isto. Entretanto, há também uma espécie de necessidade de cura rápida, onde tanto os pacientes quanto alguns profissionais, são influenciados, gerando interesse em supermedicação.

- Tentei através de muitas maneiras conseguir dados relacionados ao consumo de medicamentos do tipo na Paraíba, mas só consegui os remédios psicotrópicos distribuídos pela rede municipal de João Pessoa: amitriplina, clomipramina, fluoxetina, imipramina, nortriptilina, paroxetina e sertralina. No entanto, não tive acesso a números. Essas substâncias são usadas para tratamento de doenças mentais, correto? Quais são os benefícios e desvantagens de se utilizar determinadas substâncias?
Psicóloga Mayara AlmeidaCorreto. Os medicamentos atuam na plasticidade cerebral, contribuindo para que as conexões sejam reabertas, facilitando novas apreensões, porém, utilizadas sem psicoterapia, podem não ter efeito algum, ou efeito limitado, considerando que o acompanhamento com um psicólogo será primordial para mudanças na situação de vida e escolhas do paciente, ação que o manejo químico não realiza.

- Em relação às crianças, houve um crescimento do consumo de ritalina, direcionada a crianças com o TDAH (déficit de atenção). Na sua opinião, é recomendável? Que possíveis implicações o uso desse tipo de remédio poderia ter em uma criança e em um futuro adulto?
Psicóloga Mayara AlmeidaCostumo avaliar bem, antes de concordar com o uso de medicações, principalmente na infância, pois vejo que muitas vezes, as instituições, pais e familiares, desejam fortemente, amordaçar as inquietações humanas. Quando for realmente necessário, ok; caso contrário, sejamos mais criativos para não transformar em doença, o que é subjetivamente humano.

- Não é incomum ouvir falar que muitas pessoas passaram a utilizar remédios como o Prozac (nos anos 90) e o Rivotril como inibidores de ansiedade ou aliviadores de estresse. No entanto, que tipo de implicações esses medicamentos podem ter em pessoas que teoricamente não teriam um quadro patológico para utilizá-las? E sobre o consumo dessas substâncias por pessoas que tiveram frustrações ou tristezas da vida adulta? Como você vê isso?
Psicóloga Mayara AlmeidaAs medicações podem desenvolver dependência, principalmente em pessoas que possuem alguma predisposição para tal. Não recomendo a utilização sem acompanhamento médico, pois podem existir reações relacionadas ao uso indevido e influenciar num quadro de síndromes e transtornos posteriores à medicação. A dor subjetiva, angústia ou tristeza não podem ser cuidadas com medicação, é preciso enfrentamento e acompanhamento emocional diante das questões que incomodam.

Leia mais

1 de jun. de 2014

Entre Nós e Laços por Ellen Barros.

Nenhum comentário :


Entre Nós e Laços, entregue à uma análise psicológica.

*

(Clique nas imagens para ampliar)

Leia mais

11 de mai. de 2014

Resistência

2 comentários :


Passos largos e apressados; o sinal de trânsito parecia não cooperar. Não podia arriscar correr no meio dos carros, precisava aguardar na faixa de pedestres.

Uma olhada no relógio do celular e já eram 10 minutos de atraso. Por que confiou que daria tempo se saísse de casa faltando meia hora? Que ilusão! Com esse trânsito, tem que pensar em 1 hora antes ou mais. O sinal fechou, poderia atravessar agora. Mais uma olhada para conferir que nenhum veículo desgovernado iria transgredir as regras básicas no trânsito: sinal vermelho, os carros param para o pedestre passar. Tudo ok. Poxa, já eram quase 15 minutos de atraso. Da última vez foram 20, não queria repetir. E não iria, porque seria maior o atraso de hoje. Será que ela estava certa sobre as sabotagens que vivencio? Claro que não, atrasos acontecem. Até parece que ela nunca se atrasou na vida. Vou avisar que chego em breve... "Por favor, recarregue seu oi". Ah, brincadeira! Acho que não vou mais então. Claro que eu vou, preciso ir. É assim que começa: não vou hoje, e depois deixo de ir de vez. Me conheço. Vou sim. Já já chego e vou me orgulhar por não desistir dessa vez. Não dessa vez. Já bastam de esquecimentos e desistências indevidas. Cheguei. Pronto. Ufaaa! Restam 12 minutos. O que eu vou falar em alguns minutos? Ah, ela que fale.

- Boa tarde! Avisa a analista, por favor. Estou super atrasada.
- Um minuto senhora. Olha, aqui consta que o seu dia de análise é amanhã, quinta-feira.
- E que dia é hoje?
- Quarta-feira senhora.
- Ahhhhh, ok! Obrigada. Faz de conta que eu não estive aqui, então. rsrsrs. Dá um abraço no divã por mim. Acho que ela estava certa.
- Não entendi senhora.
- Tudo bem. Coisas de paciente resistente. Ela estava certa. Até amanhã, eu espero!

Leia mais

6 de mai. de 2014

A amizade entre mulheres, em sua grande maioria, é falsa?

Nenhum comentário :


A amizade é uma disposição humana que acomete a todos. Pode também não ser tão acessível, dependendo da personalidade dos envolvidos. A falsidade entre mulheres pode ser de fato, uma verdade, mas apenas alguns casos, quando a amizade não possui bases sólidas e a verdade ainda não é suportada. Também pode ocorrer entre homens e mulheres, ou seja, não é uma questão de gênero, mas de consciência e amadurecimento da relação.

O desejo é algo que parte do nosso íntimo, e portanto, desejamos muito além do que podemos controlar. A inveja é um sentimento que compartilha nosso lado humano menos evoluído e daí, acontecem essa vontades que atingem o outro, os outros e não nos beneficiam em nada. Apenas mascaram uma realidade: queríamos ser quem o outro é, ter o que o outro tem e assim, fica menos doloroso assumir que a insatisfação é nossa, a dor é nossa, o vazio é o de dentro, que erroneamente será preenchido com aquilo que não nos pertence.

Há uma motivação de competição feminina, que é silenciosamente aprendida, culturalmente ainda ensinada: temos que ser a melhor do nosso grupo, da nossa turma na escola, do balé, da natação.. E não nos dizem que, é possível que exista alguém tão boa quanto, ou mais habilidosa em alguns aspectos. Isso é natural, mas não aprendemos claramente e fica confuso então, crescer e não se destacar como nos disseram para fazer. Não sou assim, não agora, mas já passei - ufa, bem rápido - por esta fase, que me dizia ao pé do ouvido: o da amiga é sempre melhor. E não é, porque não está em consonância com as minhas questões pessoais. É preciso descobrir as minhas prioridades, só minhas, porque prioridades são como digitais, e só.

Leia mais

23 de mar. de 2014

Avaliação Psicológica

Nenhum comentário :


Quais os benefícios que a avaliação psicológica traz às pessoas?
1. Diagnostico: procurar esclarecer qual a natureza ou o tipo de problemas psicológicos que afeta o paciente, confirmando ou não certas hipóteses diagnósticas (por exemplo, fobia social, perturbação de ansiedade, alterações da personalidade, etc.);

2. Avaliar incapacidades: aqui procura-se determinar qual o grau e a natureza de certas incapacidades psicológicas (a nível da memória, da concentração, da psicomotricidade, etc.) e qual a influência dessas incapacidades no desempenho de atividades pessoais e profissionais;

3.Avaliação neuropsicológica: aqui procura-se despistar o aparecimento e desenvolvimento de perturbações do foro neurológico (demências de tipo Alzheimer, epilepsia, etc.), utilizando testes de desempenho cognitivo enquanto método auxiliar de diagnóstico;

4. Orientação vocacional e profissional: tem por objetivo investigar os interesses, aptidões e características de personalidade do consultante, visando proporcionar-lhe condições para a escolha de uma profissão. Hoje também, a orientação profissional se aplica aos graduados que estejam com dúvidas em relação às áreas a serem seguidas dentro do seu curso de graduação, como por exemplo, a escolha de uma pós-graduação ou carreira profissional.
Qual é a importância para uma empresa em fazer avaliação psicológica?
A avaliação psicológica é importante porque faz uma análise detalhada, objetiva e fidedigna da realidade psicológica de uma determinada pessoa, sem exigir um acompanhamento muito prolongado. O relatório que descreve e sintetiza a avaliação psicológica é uma ferramenta útil para gestores tomarem decisões e escolherem as pessoas certas para os lugares certos.
Como é realizada a avaliação psicológica?
Em primeiro lugar é realizada a entrevista para o levantamento de dados, na qual o psicólogo estabelece com o cliente uma relação facilitadora da expressão emocional e da problemática que o afeta, independentemente da sua natureza.
Em segundo lugar, podem ser realizados provas e testes psicológicos (psicométricos e projetivos), que são instrumentos validados estatisticamente e aceitos internacionalmente e que fornecem medidas objetivas e padronizadas de funções psicológicas (memória, atenção, inteligência, emoção, etc.).
Na terceira etapa é realizada a análise e a interpretação de resultados das provas psicológicas realizadas, onde o psicólogo responsável pelo processo estabelece o relatório.
Por fim, é feita a entrevista de devolução e entregue o relatório que contém um resumo das observações feitas e os resultados dos testes realizados, bem como uma orientação para a resolução das dificuldades que o cliente apresentou (encaminhamento para consulta especializada de neurologia, psiquiatria ou psicoterapia; obtenção da Carteira Nacional de Habilitação (CNH); seleção de empresas, etc.).
Leia mais