30 de jan de 2015

Violência contra a mulher

Compartilhe

O comportamento agressivo ou violento, seja ele, da forma mais mascarada ou concreta, afeta a vida do indivíduo em todos os aspectos, podendo, certamente gerar: um sentido obscuro de culpa, acreditando que a situação foi gerada pela própria vítima agredida; dificuldades afetivas, ou privações emocionais: medo de não ser reconhecido, não ser amado, de não ter ou ser o suficiente e medo de perder. A violência contra a mulher poderá desenvolver um estado crônico de terror, que, paradoxalmente, faz cair em um estado de submissão e possível deprimência grave.

É importante esclarecer que: assumir a condição de vítima pode ser paralisante para sair desta situação. Com esta nomeação: “vítima”, a mulher depende de outro; porém, quando a mulher é referida como “estando em situação de violência”, ela está em outra condição, ou seja, ela acessa um lugar de passagem, pois é um sujeito na situação, e não um objeto. O fato de “estar” em uma situação, oferece a possibilidade da mudança, mobilidade subjetiva que compõe esta condição. Posteriormente, é muito importante procurar ajuda, deixar que alguém saiba e possa ajudar na resolução da situação que causa sofrimento e desconforto individual e/ou social, para que a mulher possa, então, tomar consciência de seus recursos psíquicos, e desvincular-se do homem; pois só assim é possível deixá-lo, e escolher seu próprio caminho.

Assim, o tratamento psicológico para reaprender a lidar com a realidade é extremamente necessário.

Nenhum comentário :

Postar um comentário