21 de abr de 2015

E quando eu deixar de ser (apenas) mãe?

Compartilhe

Enquanto vamos crescendo, nos acompanha o questionamento: ''o que vai ser quando crescer?''. E escolhemos ser umas ou muitas das opções que nos apresentam. Às vezes, por motivos diversos, o que escolhemos naquela idade, enquanto crianças, não se realiza e então precisamos fazer outras escolhas, traçar novos caminhos. Alguns não finalizam a universidade, ou não chegam a fazê-la, outros percorrem outras atividades que ocupam sim muito do tempo, como ser mãe, por exemplo. 

Ouvi a seguinte reflexão: "e quando eu deixar de ser mãe?", considerando que desde a primeira filha e mesmo trabalhando em outra atividade, sua maior responsabilidade foi ser mãe. E é o que acredita saber fazer e muitas vezes a fez suportar as dificuldade que surgiram na vida.

"E quando eu deixar de ser mãe?", também refere-se ao fato de que logo que a filha mais nova estiver graduada do ensino médio, não precisará mais dela, como hoje em dia. Fato, os filhos crescem e podem decidir construir as decisões em outros espaços e com outras companhias. E a mãe torna-se "desnecessária", o que também é importante para  autonomia dos que seguem.

Esta sensação que esta mãe transborda, vai além da síndrome do ninho vazio, quando os filhos iniciam o processo de afastamento do lar. Tem a ver com se deixar para depois e priorizar sempre o outro, ou os outros. Agora, vamos pensando sobre as novas escolhas a serem feitas numa vida além mãe, mas sempre humana.

No mais, é fundamental, manter-se consciente de que em meio aos cuidados com os outros, também precisamos lembrar de nós mesmos, concomitantemente. Não depois, ou só depois. Hoje, agora.

Nenhum comentário :

Postar um comentário