21 de mar de 2014

Síndrome da Boazinha.

Compartilhe


A compulsão de agradar ainda é um problema de nosso tempo: vivemos um contrato social em que as pessoas fingem que aceitam os outros, negligenciando a negatividade que faz parte do ser humano.

Mais comum entre mulheres por motivos biológicos: elas são mais ligadas à família e aos amigos; o cérebro delas é preparado para se vincular mais às pessoas. Além disso, ainda existe um padrão cultural de como a mulher deve se comportar, já que, antes, a mulher sempre ficava atrás do parceiro. O desespero e a ilusão de que não vai conseguir ser feliz é tão grande que muitas mulher aceitam esse comportamento.

A dificuldade de dizer não, nesses casos, está ligada ainda à baixa autoestima e ao medo de não ser aceito pelos outros ou de passar a impressão de que age com má vontade diante das demandas alheias.

- Quem diz não é muito julgado, por isso, tanta gente vai se sobrecarregando até sofrer uma estafa ou um transtorno de ansiedade generalizado.

- Reflexão a respeito do próprio comportamento: já tem meio caminho andando quem sabe que tem problemas com isso.

- Observar se a postura do parceiro, dos amigos ou da família não estimula a pessoa a agir sempre assim.

- Geralmente, a pessoa não está bem sintonizada com suas próprias necessidades. “Ela só sabe dizer ‘não’ para si mesma.

Nenhum comentário :

Postar um comentário