1 de mar de 2013

Discurso (im) perfeito

Compartilhe



O diálogo dele era todo pronto, pouco espaço para a respiração, tudo devidamente decorado para não chocar, ou para impressionar mesmo. Queria saber quanto tempo ficaria, quanto tempo levaria. Só que não. Não é assim que funciona o processo. Precisava resolver rápido e precisava de alguém para colocar a responsabilidade da decisão: “eu consigo resolver, mas me disseram que seria legal se eu viesse, então eu vim”. Ele veio sim, e precisávamos descobrir o porquê, pois em seu discurso perfeito não havia nada que o incomodasse tanto, ou impedisse de dormir tranquilo à noite. Foi aí que houve um ato falho ou muito assertivo para a análise: “eu tenho medo de... Quer dizer, eu não tenho medo de nada, medo não, não mesmo”.
“Será?” Foi a única palavra que ele ouviu antes de disseminar um novo discurso, que incluía ser fraco, insuficiente e instável e, por isso, vestia-se no papel de homem perfeito, ao menos nas palavras; não tinha alguém ao lado porque não queria demonstrar a inconstância quem também não sabia como lidar.
Fizemos do espaço e tempo disponíveis uma ponte para a realidade, pois o que ele estava vivendo era algo imaginário e inseguro, precisava ser ele mesmo, aceitar-se em si, perfeitamente imperfeito, no ato e no discurso.

Nenhum comentário :

Postar um comentário