24 de out de 2011

Logo, logo...

Compartilhe

Existe mesmo essa coisa de destino? Fiquei pensando nisso, porque lembrei dos seus olhos da cor do mar. "Vontade que dá de mergulhar". Pensei porque nos encontramos naquele supermercado e talvez isso tenha algum significado. A gente se olhou nos olhos, e sem tentar entender, percebemos que tínhamos tudo a ver. A nossa alegria tinha a ver com a presença a dois. E hoje, a tristeza que eu sinto tem a ver com essa distância, com a falta do seu abraço e com a dúvida entre manter a espera ou arriscar a vida de outra maneira. Tenho a impressão de ter atingido uma maturidade que não cabe na vida que tenho. Estou pronta pra largar tudo pra trás. Sempre estive. Então não adianta me oferecer o discurso de que existe uma verdade absoluta. A vida se aprende vivendo. É tendo experiências que aprendemos onde não nos encaixamos, quais as nossas dificuldades e até mesmo futilidades. É vivendo que descobrimos quem vale a pena permanecer em nossa vida e o que queremos receber em troca das nossas atitudes. Hoje eu quero bem pouco da vida: apenas saúde, disposição para seguir e realizar as minhas vontades, que não são tantas. Eu ando seguindo em frente e descobri algo novo: não me encaixo, e não aceito. Então, vou finalizando o que me cabe, pra que rapidinho chegue ao fim. Ainda estou encantada, mas logo, logo eu desencanto...

[Mayara Almeida]

Nenhum comentário :

Postar um comentário