8 de mai de 2016

Carta aberta de uma criança que sente vontade de morder

Compartilhe


Oi mãe, oi pai, tios e tias. E essa história de achar que sou agressivo porque dei uma mordidinha aqui, ali, e ali de novo... Agressivo, que é isso? Ouço vocês falando e fico imaginando que é um monstro chato e feio. Não quero ser isto e não sou. Quando eu saí da barriga da mamãe, era gostosinho pra cá, gostosinho pra lá, e lembro de ouvir alguma amiga da mamãe dizendo: “que vontade de morder!”. E sabe, realmente, sou fofinho e se estou cheirosinho então, tudo certo. Dá mesmo vontade de morder. Será que vocês entendem? E quando meus dentinhos começam a surgir, fico irritado e morder pode se tornar uma opção pra mim, que ainda não sei falar e dizer que está doendo. Então me ofereça vários brinquedinhos para que eu possa testar, curtir e me acalmar, sem precisar morder os outros.

Ah, às vezes mordo porque quero que alguém me olhe, me acolha e fique comigo, então, se perceber isto, fique mais próximo e compartilhe comigo alguma atividade positiva.

Não sinta raiva do meu amiguinho se ele me morder e não me ponha de castigo, mas me fale e insista, com calma, sobre a importância de falar quando eu quiser algo ou não gostar de alguma coisa que me fizerem. Lembre-se, levará um tempinho para que o repertório de palavras seja inserido na minha comunicação, mas eu posso conseguir. Acredite em mim. Eu sou um amor de criança!

Com uma mordidinha de amor,

A sua criança

Nenhum comentário :

Postar um comentário