18 de jul de 2011

A Saudade...

Compartilhe

            A saudade é uma palavra que não sei definir. Sinto saudade, choro de saudade, vivo na saudade... Mas não explico a saudade. O meu mundo não esconde o quanto sente saudade de coisas que quebraram, de pessoas que foram e não voltaram, de amores que não eram amores e acabaram, de momentos que marcaram, de abraços que acalmaram, de olhares que encantaram. A saudade quando é grande não se esconde e de tão sufocada, explode, para cada alguém de um jeito. E a minha realidade é a melhor amiga da lembrança que não sai de casa sem a saudade.
            A história de cada um de nós traz um leque de saudades inesquecíveis. Saudades de sorrisos, amores e amigos. Também sentimos saudade de promessas que um dia alguém nos fez, e depois esse mesmo alguém agiu de forma que nada pudesse ser realizado. Mas as promessas eram tão importantes para nós, que chega a dar saudade.
A minha saudade é discreta, mas é enorme. Ela não aparece para qualquer um, calada, espera o momento certo e silencioso para se mostrar. Mora no coração e este não cobra aluguel, bonzinho como só ele, a deixa à vontade; não impede que a saudade sinta saudade demais. Ela está a toda hora comigo, mas à noite pode chegar a transformar-se em tristeza.
Acredito que a saudade passa, de uma parte do coração para outra, mas não sai dele. A saudade vai sempre existir quando lembrarmos algo ou alguém que gostamos para valer. Sempre sinto saudade, principalmente de pessoas que foram minutos especiais durante as horas da minha vida. Respeito muito minha saudade e até realizo os seus desejos quando ela me diz, sincera, que dessa vez é sério e não dá para deixar pra lá. Aprendi a não esconder a saudade, mas mantê-la equilibrada pelo menos 15 horas por dia, durante os 5 dias da semana. O resto do tempo, ela pede delicadamente para que eu ligue o som e a deixe existir, porque ela, a saudade, só precisa ser sentida. Eu entro no quarto e apago a luz. Pronto, ela surge e vem me contar em detalhes, histórias que eu não esqueço de lembrar.

[Mayara Almeida]

Nenhum comentário :

Postar um comentário