12 de out de 2011

Boas Lembranças...

Compartilhe


Vamos brincar de boneca? Quantas vezes falei isso quando era criança... Numa rua onde vivi uma infância cheia de brincadeiras e corre-corres, a chega das chuvas era comemorada por nós com alegria e olhos brilhantes. Não por que era época de tanajuras: aqueles bichinhos começavam logo no fim da tarde e continuavam noite a dentro: um zumbido que enlouquecia os adultos e fazia a diversão da garotada. Naquela época, eu recebia o leite que era entregue pelo leiteiro feliz da vida.
         Lembro de tanta coisa, em fração de segundos, como os puxões de cabelo nas amiguinhas, pular corda, estátua, roda, passa-anel, escolinha, pular elástico, esconde-esconde... Eram tantas brincadeiras. Lembro também de dormir junto da minha mãe e do meu irmão, do meu primeiro amor aos 11 anos, de ver meu irmão sonâmbulo e deixar minha mãe em pânico, de vestir a roupa para ir ao colégio, e descobrir, depois de estar toda arrumadinha que era sábado e não tinha aula... O dia passava rápido demais e só saímos da rua quando a mãe ou a vó gritava: “pra dentro”. E lá íamos nós, eu e meu irmão, reclamando da vida, da hora de entrar que nos impedia de continuar as brincadeiras.
         Acredito que criança tem uma porção de anjos da guarda. Afinal fazíamos as maiores loucuras e voltávamos inteiros todos os dias, salvo um ou outro galinho na cabeça, pé torcido ou um arranhãozinho. Quem nunca escutou que existe o velho do saco? Ou que a bruxa vem nos buscar, ou o bicho papão vem pegar? Quem nunca disse algumas dessa frases: Quem sair por último apaga a luz... Me dá um pedacinho... Mas eu não fiz nada... Nem doeu... Deixa eu brincar só mais um pouquinho... Não quero it pra escola hoje não... Eu tive um pesadelo... Eu vou dizer pra minha mãe...
Nada contra a evolução do mundo, mas dá uma vontade de poder congelar momentos e guardar a simplicidade da minha infância para apresentar aos meus filhos, um dia...

Feliz dia das Crianças a Todos os humanos!
Vai sem medo. Toma água de mangueira, você vai sobreviver...

[Mayara Almeida]

Nenhum comentário :

Postar um comentário