20 de mar de 2011

Compartilhe





Mas a solidão dói e eu sigo inventando personagens. Odeio minha fraqueza em me enganar. Eu invento amor, sim e dói admitir isso. Mas é que não aguento mais não dar um rosto para a minha saudade. É tudo pela metade, ao menos a minha fantasia é por inteiro.. enquanto dura. No final bruto, seco e silêncioso é sempre isso mesmo, eu aqui meio querendo chorar, meio querendo mentir sobre a vida até acreditar. E aí eu deito e penso em coisas bonitinhas. E quando vou ver, já dormi. (Tati Bernardi)

*
Você me lê, assim como me olha (me olhava), como quem não entende, mas gosta do que vê, e no conforto da indecisão, permanece, fica, não esquece. Pega o medo e entorpece até que ele não queira continuar. Devagar e com pressa, isso entre nós é desassossego de duas distâncias envoltas numa carência comum. Está solto, e solto, voltará se for. Se for amor, um tanto quanto, se for.

[Mayara Almeida]

Nenhum comentário :

Postar um comentário